Saiba tudo sobre as novas verticais de negócios da Porto!

Agilidade e autonomia para realizar os sonhos da Temporada

Sabemos que a Porto é mais que uma seguradora. Somos um ecossistema de soluções que se conectam aos diferentes momentos da vida de nossos clientes. E, para ampliar o potencial de cada produto e contribuir com o crescimento de nossos negócios, a Companhia está se estruturando em verticais, uma consequência dos sonhos e objetivos da atual Temporada. 

Para saber mais sobre as três verticais já formatadas, o Nosso Porto bateu um papo com Roberto Santos, presidente executivo da Porto. Nessa conversa, Roberto explica um pouco mais sobre o papel da holding e quais são os objetivos de cada uma das verticais para o próximo período. Conversamos também com Marcelo Picanço, Sami Foguel e Marcos Loução, os CEO’s responsáveis pelas verticais de Seguros, Saúde e Negócios Financeiros/Serviços. 

Mais do que uma seguradora, um ecossistema

Roberto Santos, presidente executivo da Porto (arquivo).

Segundo Roberto, a Porto é hoje um ecossistema de soluções de proteção para as pessoas, que coloca o cliente no centro das decisões e constrói jornadas pensando nas suas necessidades. “Além de seguros em geral, temos outros produtos como: cartão de crédito, consórcio, carro por assinatura, saúde – somente para citar alguns. Somos quase uma empresa de tecnologia, construindo soluções para os clientes. Mas, para isso, precisamos de uma mudança no nosso modo de agir. Reorganizamos a Companhia em verticais para ter mais autonomia e construir as coisas mais rápido, impulsionados pelo nosso sonho de dobrar o número de clientes”, explica.

Até 2019, cinco vice-presidências respondiam por áreas de negócio e estrutura ao mesmo tempo. Há dois anos, mudamos para dois VPs de negócios e 3 VPs de infraestrutura. Agora, entendemos que ter dois VPs para negócios não era suficiente. Resolvemos ampliar as vice-presidências de negócios e organizá-las em verticais“.

Queremos dobrar o número de clientes e ser percebidos como mais do que uma seguradora, dado o amplo leque de produtos e serviços que oferecemos
Roberto Santos

Como se estruturam as verticais já formatadas?

  • Seguros
  • Saúde
  • Negócios Financeiros/Serviços 

Áreas corporativas: mais leveza e eficiência

As áreas corporativas fazem parte da holding (responsável por todo o grupo Porto Seguro) e são aquelas cujas atividades atravessam toda a Companhia, zelando pela essência, pela cultura e por tudo aquilo que mantém a unidade da Porto.  

“Não faz sentido replicar todas as áreas corporativas dentro de cada vertical. Nosso objetivo é seguir no caminho que já tomamos, com a companhia mais leve e eficiente. Se multiplicarmos essas estruturas, fica mais pesado. Além disso, precisamos ter alguém olhando pelo todo, garantindo a nossa unidade”, coloca Roberto. 

Quais são algumas das áreas corporativas que respondem para a holding?

  • RI, Planejamento Estratégico, M&A e Ouvidoria.
  • Diretoria Comercial e Diretoria de Marketing e Clientes.
  • Diretoria de Controladoria e Diretoria Financeira.
  • Diretoria de Pessoas e Sustentabilidade e Diretoria Jurídica, Riscos Prevenção a Fraudes e Controles Internos.
  • Diretorias de Dados e Serviços Analíticos.
Essas medidas estão completamente alinhadas à atual Temporada
Roberto Santos

 

Uma nova estrutura, um novo mindset

Com o objetivo de consolidar a implantação de métodos ágeis e o desenvolvimento digital da Companhia, foi criado o Agile Transformation Office (Escritório de Transformações Ágeis), ou ATO (saiba mais no box abaixo), um time de governança cujo olhar está voltado para as áreas que estejam passando por processos de  transformação digital. “Para construir as coisas, temos de pensar em formas diferentes de realizar uma jornada em que sejam contempladas as necessidades do cliente”, pondera Roberto.  

Responsável por orquestrar as iniciativas digitais dentro das verticais, o ATO está ligado a tudo o que diz respeito à experiência do cliente, imaginando como ele será impactado. “Ter a visão sistêmica do processo dentro da Companhia, permite saber quando não é preciso construir algo novo aqui, porque já tem do outro lado. Se a Companhia não tiver esse olhar único, não é possível reaproveitar soluções e adequar recursos da melhor forma. É assim que iremos ao encontro do objetivo desta Temporada, que é integrar clientes e negócios”, coloca. 

Mais informação = novas oportunidades

Uma visão macro do negócio vai permitir também o famoso cross selling. Roberto afirma que o cliente não é das verticais, mas da holding, numa visão transversal da Companhia. “Por este motivo, existe uma Diretoria de Marketing e Clientes, por exemplo, que fica fora das verticais, para fazer toda a engenharia e inteligência de ofertas corretas para o cliente certo, na hora certa”, afirma. 

E como estamos falando de jornada do cliente e visão integrada, Roberto cita o Super App, (da Vertical Serviços Financeiros) a ferramenta de interação do cliente com a companhia. “O Super App é como shopping center, em que os clientes poderão realizar autosserviços e nós poderemos fazer ofertas para ele. A Diretoria de Marketing e Clientes recebe uma provocação da vertical, por exemplo, de Seguros, para que seja feita uma oferta de seguro residencial. Ela consegue enxergar que essa pessoa tem um grau de probabilidade de comprar um seguro como esse e faz a oferta no momento certo”, anima-se. 

E finaliza com uma frase que sintetiza bem todo o movimento de expansão: “Mantendo a nossa essência, de ser cada vez mais um porto seguro, e a sustentação da nossa Temporada, de integrar clientes e negócios com velocidade, autonomia e agilidade por meio das verticais, estamos crescendo e construindo a Porto do futuro. Temos vivido um momento especial dentro da Companhia, marcado por diversas oportunidades de crescimento e de desenvolvimento profissional para quem está aqui dentro. Todos devem aproveitar para aprender e buscar novas formas de fazer, para juntos impulsionarmos ainda mais o que temos de melhor: as nossas pessoas. Vocês são a parte essencial de todo esse plano. Por isso, conhecer as diretrizes, o posicionamento e as ambições de cada uma das verticais é fundamental na aceleração do negócio. E o melhor: com o jeito Porto de sempre. Essa é a Temporada!”.

Consolidando métodos ágeis com o ATO

Emerson Ginanti, superintendente do ATO (arquivo pessoal).

Os objetivos da Temporada, alinhados ao desafio de consolidar uma forma de trabalho ágil, orientada à necessidade do cliente, e cuja tomada de decisão é embasada em dados e informações, são os principais norteadores do ATO

Essa metodologia se materializa num time que apoia e trabalha em conjunto com as verticais de negócios para contribuir com a efetivação do processo de transformação digital pelo qual a Porto vem passando. Emerson Ginanti, superintendente do ATO, explica que, nesse modelo, pessoas de multiespecialidades se juntam em squads para buscar as metas do negócio como um todo, pensando de forma permanente na centralidade do cliente e em como fazer com ele aprove e contrate cada vez mais produtos e serviços da Porto. A equipe do ATO trabalha em conjunto, apoia a evolução e a consolidação das iniciativas, além de melhorar o reuso das ferramentas que a Porto utiliza. 

Há tempos, a Porto faz movimentos nesse sentido. Um desses exemplos é o CATI, Centro de Agilidade em T.I. Mas, ficou claro que esse movimento não pode ser feito de forma isolada, por uma diretoria específica. Vem daí a decisão de contratar a Bain & Company, uma consultoria que ajudou a enxergar a necessidade de uma transformação mais ampla. A criação do ATO decorreu do trabalho da Bain, construído em conjunto com Roberto Santos e os demais executivos da Porto. 

“As barreiras de entrada para novos competidores caíram bastante. As empresas hoje precisam ser ágeis para sentir o feedback do cliente e reagir muito rápido para continuar se mantendo atraentes. Como o cliente tem o poder do consumo na mão, é importante transformarmos a maneira de pensar. O porte da Porto aparece como um benefício enorme, afinal temos uma marca forte, empresa consolidada e rentável, e clientes que reconhecem a qualidade dos serviços prestados. Associar tudo isso a uma forma de pensar parecida com as startups nos dará grandes vantagens competitivas no mercado. Disseminar essa forma de pensar e trabalhar é a grande missão do ATO junto aos times da Porto“, finaliza Emerson. 

Marcelo Picanço: “Queremos ser a seguradora mais presente na vida dos brasileiros!”

Marcelo Picanço, CEO da Vertical Seguros (arquivo).

Crescer a partir das grandes oportunidades do mercado, atendendo de forma genuína a necessidade dos clientes, é o grande objetivo da Vertical Seguros, sob a responsabilidade do CEO Marcelo Picanço. “Queremos incluir mais gente, expandir a malha securitária. Hoje, apenas 30% dos veículos que circulam no Brasil são segurados e menos de 15% das residências têm proteção”, afirma. 

Este crescimento, alinhado ao aprofundamento do uso de inteligência artificial, à análise de dados e ao lançamento de novos produtos, será potencializado pela estrutura de verticais. E a vertical atuará em conjunto com as áreas corporativas/ de holding para viabilizar as entregas com coerência e eficiência. 

“As verticais trazem foco, liberdade e autonomia para pensarmos um pouquinho mais como Startups e trabalhar com mais inovação e agilidade. Vamos aproveitar  tudo aquilo que já temos de melhor e nos permitir ousar, alinhados com nossas diretrizes estratégicas“, coloca Picanço. Para ele, a proximidade entre negócios, operações e tecnologia que as verticais proporcionam tornam a tomada de decisão mais rápida, sempre em benefício do cliente.

Picanço enxerga a Porto como um verdadeiro porto seguro em momentos importantes da vida dos clientes. “Essa essência não muda, assim como nossa atuação como empreendedores. A vertical resgata a possibilidade de pensarmos como uma empresa pequena, sem  abrir mão dos valores e pilares estratégicos, mas nos permitindo experimentar e mudar quando for necessário. Assim, alcançaremos resultados ainda melhores, criaremos mais oportunidades para as pessoas, e deixaremos nossos clientes, corretores e demais parceiros cada vez mais satisfeitos”, finaliza. 

Sami Foguel: “O momento da Vertical Saúde é de estruturar e crescer”.

Recém-chegado à Porto, Sami Foguel assumiu como CEO da Vertical Saúde da Porto e está animado com as possibilidades de crescimento que o momento oferece. A área já vinha há algum tempo trabalhando com foco em soluções aliadas à tecnologia, e acaba de lançar o Saúde Mais, um produto de saúde integrada. 

Sami Foguel, CEO da Vertical Saúde (arquivo).

“Nosso objetivo é contribuir com a questão da jornada do cliente, dos produtos, e da gestão da sinistralidade. Como intensificar as características da Porto Seguro no ambiente da saúde e tornar o produto saúde fantástico? Em quais jornadas vamos nos diferenciar? Essas são algumas das perguntas que estão norteando essa etapa”, coloca. 

O fato do produto Saúde ser comercializado entre empresas é uma característica importante, que também revela oportunidades para o restante da Companhia. Aprofundar a relação com as empresas clientes, principalmente com as pequenas e médias, é um dos objetivos. 

Sami conta que antes de chegar à Porto foi presidente da Alliar e da Tim. Nessa última, conheceu executivos da Porto, como Marcelo Picanço, Lene Araujo, Roberto Santos e Bruno Garfinkel, atual presidente do Conselho de Administração. “Minha aproximação com a Porto levou três anos, criamos uma relação de admiração mútua. Além de eu já ser cliente da Porto há 25 anos aqui, sou um admirador ferrenho da Companhia. Sami também tem larga experiência no ramo da aviação, tendo trabalhado na Azul Linhas Aéreas e na TAP, além de ter atuado no HSBC e na McKinsey. 

“A Porto é uma empresa incrível, tem os valores corretos, uma visão de entrega dos resultados, de crescimento e sustentação de longo prazo, de melhoria contínua e de foco no cliente. Também atua em ESG muito antes do termo entrar na moda, dando apoio à sociedade, à ecologia e à diversidade. Acredito que a estruturação em verticais unirá a tradição às novas visões e será extremamente positiva”, conclui.  

Marcos Loução: “Democratizar o acesso e conquistar novos clientes”

Marcos Loução, CEO da Vertical Produtos Financeiros (arquivo).

Facilitar o acesso de novos clientes aos produtos e serviços da Porto é o principal objetivo da Vertical Serviços Financeiros neste momento de estruturação. E o principal produto a materializar esse desejo é a conta digital que, além de ser uma nova alternativa de pagamento para além do cartão de crédito, também será uma conta repleta de serviços e benefícios, mesmo  para quem ainda não é cliente Porto.

​​“A conta digital irá colaborar com o sonho da Temporada de dobrar o número de clientes da Companhia, unindo a solidez, a robustez e a confiança da Porto Seguro à leveza, à velocidade e à acessibilidade dos bancos digitais. Queremos levar a humanização e qualidade da Porto Seguro para os clientes do mercado financeiro, além de ser mais um produto para os nossos corretores comercializarem, ajudando em sua diversificação de receitas e na fidelização de seus clientes”, afirma Marcos Loução, CEO da Vertical Produtos Financeiros.

Além de mais opções para os clientes, a conta digital permite mais criatividade e autonomia aos produtos de todas as verticais, para que pensem em soluções alternativas de pagamento. E assim como no cartão de crédito, quanto mais o cliente usar a conta digital no dia a dia, além de experimentar novos produtos e serviços da Porto, mais vantagens obterá. 

Atrair novos clientes e conhecer os seus hábitos de consumo e de pagamento permitirá que a empresa desenvolva novos produtos e soluções centrados no cliente como, por exemplo,  “uma fiança locatícia associada a um consórcio, ou um consórcio específico para empreendedor, além de facilitar a locação de imóveis aos nossos clientes (projeto recém lançado: Olho Mágico). Essas e outras iniciativas estão nos planos da Temporada e com isso nos mantemos na vanguarda, como fizemos em nosso cartão de crédito (pioneiro em transação sem contato; chat inteligente; APP exclusivo para adicional, entre outras inovações)”, complementa.

Consolidar e manter o crescimento relevante dos nossos produtos de crédito e acúmulo,  como o financiamento de veículo, crédito pessoal, capital de giro para empresas, antecipações para corretores, Conquista (investimentos) e consórcio também continuam como objetivos desta Vertical, que já conta mais de 3.4MM de negócios e aproximadamente 2.8MM de clientes.

“Além disso, com a recente reestruturação das verticais, de maneira geral ficamos mais leves e rápidos, continuando a usufruir de toda a robustez e parceria de anos entre todas as áreas da holding. Esses fatores são fundamentais para proporcionar um crescimento ainda mais acelerado e nos consolidarmos como uma empresa que é mais do que uma seguradora. Tudo isso só faz sentido se for bom para o acionista, colaboradores, corretores e clientes”,  finaliza Loução.

Está com dúvidas ou tem alguma curiosidade sobre as verticais? Deixe aqui nos comentários e responderemos em breve 😉

Comentários

{{comment.parent.comment_author}}
{{comment.parent.comment_date}}
{{comment.parent.comment_content}}
Comentar
{{children.comment_author}}
{{children.comment_date}}
{{children.comment_content}}
Comentar
Ver mais comentários

Matérias anteriores

Construída a muitas mãos, a campanha de marketing da Porto está dando o que falar.
Novo posicionamento de marketing reforça a nossa essência e aproxima o cliente.
Como podemos nos tornar ainda mais humanos.