Recrutamento Interno: trilhando o seu caminho

Um meio para quem sabe aonde quer chegar

Juliana Zan, coordenadora de RH (arquivo pessoal).

Estar pronto para aproveitar as oportunidades quando elas surgirem. Essa é a síntese da conversa que o Nosso Porto teve com Juliana Zan e Adriana Faucon, gerente e coordenadora de RH, respectivamente. O tema do bate-papo foi o Recrutamento Interno, um meio muito interessante para quem sabe aonde quer chegar. 

“A Porto tem estimulado cada vez mais as oportunidades internas. Fazemos um convite para que os gestores priorizem a abertura de vagas para colaboradores. Entendemos conjuntamente o que ele espera, mostramos que o RI funciona e que há casos de sucesso. A maior parte das posições é aberta internamente primeiro”, conta Juliana.

RI: modo de usar

Adriana Faucon, coordenadora de RH (arquivo pessoal).

Adriana é um exemplo de como o Recrutamento Interno funciona. Quando sua gestora optou por mudar de função, ela passou pelo processo para concorrer a essa vaga, mesmo já fazendo parte do time. Para se preparar, investiu em seu PDI. “Trabalhei para que, quando surgisse uma oportunidade, eu fosse elegível para concorrer. A pergunta-chave que o colaborador deve fazer é: se eu quero estar em tal lugar, como eu posso me especializar para chegar lá?”, afirma Adriana.

Outro fator importante é a aproximação com o gestor, que deve estar atento aos movimentos da empresa e do mercado e, sobretudo, aberto a ouvir e a apoiar o colaborador em sua jornada. “Essas conversas não podem ser tabus e dentro da Porto elas costumam acontecer tranquilamente. Mas é interessante ressaltar que é papel do colaborador assumir o protagonismo sobre sua carreira e provocar esse diálogo”, reforça Juliana.

As vagas disponíveis ficam publicadas na Portonet. Quem preenche os requisitos faz a aplicação e, a partir daí, o sistema da Porto passa a fazer a leitura dos dados. Caso o colaborador atenda às necessidades específicas daquela posição, é convidado a passar pelas diversas etapas do processo. “Recomendamos uma conversa prévia com o gestor, que também é avisado da candidatura”, conta Adriana. 

O diferencial em relação ao processo externo é a possibilidade de receber um retorno do time de Recrutamento e Seleção caso não seja aprovado. Esse feedback serve como insumo para que o colaborador continue se preparando para novas oportunidades, lembrando que nem todas as mudanças são necessariamente verticais. Elas podem ser laterais, quando existe o desejo de mudar de carreira. 

Uma vantagem dos processos internos é que eles costumam ser mais rápidos, pois o colaborador já está adaptado à cultura da Porto e conectado com o negócio
Adriana Faucon

Aprender sempre

O Nosso Porto já tratou da importância do aprendizado contínuo em outras edições. E olha ele aqui de novo! Juliana reforça que a disposição para aprender e buscar inspiração e conteúdo são itens fundamentais para um processo de desenvolvimento de carreira bem sucedido. 

“A progressão ou mudança na carreira pode ser um sonho, mas se a pessoa não está suficientemente preparada para esse momento, precisará ampliar seu repertório, desenvolvendo os comportamentos e conhecimentos técnicos necessários”, pondera Adriana.  

Essa lógica não se aplica somente ao RI, mas também para quem deseja se manter atualizado para fazer cada vez melhor seu trabalho. Afinal, com o mundo em constante transformação, quem não se conecta ao aprendizado constante corre o risco de ficar defasado. Como adultos aprendem praticando, é preciso aplicar no dia a dia os novos conhecimentos, para fixá-los. 

Autoconhecimento é outro aspecto que sempre aparece, pois tudo isso só faz sentido se realmente conhecemos nossas habilidades, o que gostamos de fazer e qual caminho trilhar. Juliana completa: “Para fazer a diferença é preciso fazer diferente, ter paixão por agregar valor e buscar conhecimento. Mas para isso é fundamental se autoconhecer”. 

É muito importante que o colaborador reflita aonde quer chegar ou qual oportunidade gostaria de vivenciar. Afinal, se você não sabe aonde quer chegar ou o que gostaria de experimentar, qualquer caminho serve, inclusive aquele que você já está percorrendo
Juliana Zan

O Recrutamento Interno por quem o vivenciou

Tiago Bernardo está na Porto há 5 anos, e atualmente é coordenador de atendimento da área de Sinistros Patrimoniais. Tatiana Venditti é colaboradora da Porto há 19 anos, e hoje é analista sênior de RH. Ambos participaram de processos de Recrutamento Interno e materializam muito do que foi dito por Juliana e Adriana. Nos depoimentos a seguir, eles dividiram um pouco de sua experiência conosco. 

Ingressei na Companhia como supervisor na área de atendimento da Recuperação de Crédito (Cartões). Tive oportunidade de trabalhar com pessoas incríveis, capazes de me transformar de dentro para fora. Devido às necessidades internas de movimentações, aceitei alguns desafios e meu desejo de crescimento foi ficando mais evidente. Quando me perguntavam se eu participava de processos seletivos internos, minha resposta era a seguinte: ‘sim, na hora certa’. Simplesmente, eu sabia aonde queria ir. Quando a vaga esperada apareceu pensei: ‘agora é a hora!’. Quando recebi a resposta afirmativa, fui tomado por sentimentos de gratidão, alegria e dever cumprido. Todas as etapas do processo foram conduzidas com muito respeito, dedicação e profissionalismo. Se me permitem um conselho, arrisco dizer: não desistam de seus propósitos, acreditem, estejam preparados e sejam muito felizes”.
Tiago Bernardo

“Tenho muito orgulho de fazer parte de uma empresa que valoriza seu capital humano e reconhece seus colaboradores. Uma prova disso é o Recrutamento Interno, uma oportunidade de buscar novos desafios e alavancar nossas carreiras. Trabalho com desenvolvimento de pessoas desde 2014 e sempre atuei no produto Automóvel. Como sou apaixonada por pessoas, trabalhar na área de Recursos Humanos era um sonho que virou realidade. Em um processo ético, transparente, muito organizado e de um respeito sem tamanho, recebi o ‘sim’ para assumir uma vaga sênior em Treinamento e Desenvolvimento. Mesmo sendo uma transição lateral, considero um grande avanço na minha carreira. O carinho com que recebi o retorno da analista de seleção e toda a condução do processo me fizeram sentir ainda mais parte da Porto Seguro. Coragem e justiça, nossos norteadores, fizeram parte da minha decisão e do meu Recrutamento Interno. Desejo que todos tenham coragem para buscar e protagonizar as suas carreiras. Oportunidades não faltam!’
Tatiana Venditti

Comentários

{{comment.parent.comment_author}}
{{comment.parent.comment_date}}
{{comment.parent.comment_content}}
Comentar
{{children.comment_author}}
{{children.comment_date}}
{{children.comment_content}}
Comentar
Ver mais comentários

Matérias anteriores

Programa da Porto coloca em cena capacitação e empregabilidade
Há doze anos, um porto seguro para quem ingressa no mercado de trabalho.
Sério, você vai se surpreender.